Falta d´água castiga município de Dr. Severiano na região serrana

A estiagem prolongada vem agravando a situação do campo em inúmeros municípios e, em alguns casos, a falta d´água está atingindo inclusive a área urbana, como é o caso da cidade de Dr. Severiano, localizada na região serrana no Alto-Oeste, cujo abastecimento se processa através de açudes.
Problema da falta d´água atinge o campo e a cidade que vivem do abastecimento de açudes


Açudes como Bom Sucesso, Pé de Serra e Vassouras, reservatórios essenciais, estão secando rapidamente devido à temperatura alta que castiga o sertão. Outros reservatórios como os artesanais cacimbões já perderam a utilidade, pois estão sem água já há algum tempo.
O agricultor Sebastião Luiz, 43 anos, dois filhos, que mora na localidade rural de Vassouras, afirmou que o desespero é muito grande em consequência da falta d´água. “A gente comprava água para beber, uma pipa até por 40 reais”, lamentou.
A dona de casa Maria da Silva Ferreira, 36 anos, três filhos, disse que vem utilizando da água de um pequeno reservatório na mesma comunidade, que está quase seco. Ele utiliza sistema paliativo como a tradicional lata d´água na cabeça, para levar água para lavar louças, roupas e cozinhar. “Para beber eu compro água mineral, mas sai muito caro”, lamenta.
Ao assumir o comando do município, no início deste mês, o prefeito Carlos Aquino (PP) se deparou com o problema e o elegeu como prioridade. “Comecei a procurar uma solução rápida”, disse ele, afirmando que procurou de imediato uma forma de amenizar o sofrimento da população. Foi várias vezes a Natal levar o caso ao governo estadual até conseguir, através da Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte (CAERN), uma solução provisória.
O único reservatório que dispunha de maior quantidade de água é o açude Carcará, numa propriedade rural. “O dono foi muito sensível e permitiu que a Prefeitura tirasse água de lá”, frisou Carlos Aquino, ressaltando que, através da parceria com a Caern, conseguiu a encanação para um ponto central e de lá fazer a distribuição da água para as residências.
“Hoje podemos dizer que a situação está normalizada momentaneamente”, enfatizou o prefeito, explicando que o volume de água do açude Carcará garante o abastecimento da cidade durante cerca de apenas dois meses. Depois disso, o problema volta certamente com mais agravante, pois se não chover bem até lá não sabe ainda o que fazer.
“Vou bater em todas as portas, vou a governo estadual, a Brasília, mas não posso deixar a população nesse sofrimento”, completou. Segundo Carlos Aquino, o problema só se resolve definitivamente com a perfuração de poços.
Segundo o secretário de Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos, Gilberto Jales, 12 poços foram perfurados na cidade de Luís Gomes, que também recebe o reforço de carros-pipa. A previsão é que sejam perfurados mais 52 poços, até fevereiro, principalmente na região do Alto-Oeste, que apresenta a situação mais crítica. A região do Seridó começa a apresentar cidades com colapso de abastecimento.
Além disso, estão sendo feitas 700 barragens subterrâneas sob a responsabilidade do Instituto de Assistência Técnica e Extensão Rural (EMATER). Outras duas mil barragens estão previstas. A Caern, juntamente com a Semarh e o Instituto de Gestão de Águas do Rio Grande do Norte (IGARN), trabalha para a busca de novas fontes de abastecimento e no planejamento para eventuais necessidades de racionamento.
Para as cidades de Olho D’Água do Borges, Francisco Dantas e Doutor Severiano, estas duas últimas em situação de alerta, os técnicos da Caern estudam novas fontes alternativas de abastecimento.
No momento, não há previsão para perfuração de poços em Dr. Severiano, que necessita igualmente de poços profundos.
Doutor Severiano localiza-se na região do Alto-Oeste, na microrregião da serra de São Miguel e mesorregião do Oeste potiguar, a uma distância de 426 quilômetros a oeste da capital do Estado, Natal. Ocupa uma área de 108,277 km², sendo que 0,3682 km² estão em perímetro urbano e, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, a população foi recenseada no ano de 2011 em 6.487 habitantes, sendo então o 95º mais populoso do Estado.